Cruzeiro em Miami

Documentos necessários: Passaporte e ESTA – Sistema Eletrónico para a Autorização de Viagens, este documento tem que ser tratado com uma antecedência mínima de 72h e se for aprovado tem duração de 2 anos.
A viagem tem forma de excursão! Pois foi oferecida e estava toda paga. (oh que chatice)
1º Dia
Aeroporto e viagem com escala em Madrid para Miami, esta foi a parte mais chata: 9h sentada, mal sentada, em pé, encolhida, semi-esticada pufff…. Mas assim que chegamos ficámos logo 2h em pé para esticar o pernil, no controlo do checkout do aeroporto. Os senhores não mostram os dentes, não querem saber se as filas chegam até ao infinito, não querem saber se estamos ansiosos para pôr o pezinho em Miami Beach, não, eles só querem saber se temos ar de talibãs se levamos muito ou pouco dinheiro e se temos objetivos duvidosos para a estadia.
Resumindo, entre o atraso da Ibéria e o controlo do aeroporto perdi uma tarde de compras na Collins Avenue! Quem me paga estes danos Morais e Psicológicos?! Adiante….
Chegamos a Miami Beach, mais propriamente ao Hotel, à hora de ir jantar. O Hotel foi o Marriott South Beach, na Ocean Drive frente à praia. Que devo confessar tem a melhor cama deste planeta, corrijo, do Universo. E o restaurante foi o Red Steakhouse cujo menu tinha um bife que se derretia na boca.
Vista traseira do Hotel Marriott Miami Beach
2º Dia
Mal deu para apreciar o delicioso pequeno-almoço do hotel, porque tínhamos que ir à praia e à Collins Avenue, antes da partida para o Cruzeiro. Porque era obrigatório, tinha prometido a uma certa alminha que ia pôr o pé naquela água e tinha prometido a mim mesmo que ia à Victoria Secret, (e valeu tanto a pena).
 A bela da casinha do Nadador Salvador
Após estas correrias cruzeiro ai vamos nós………….
E o cruzeiro era fantástico, e as pessoas eram super simpáticas e aquilo que eu pensava que era para ricos reformados, passou a fazer parte de mim e de exigências futuras.
 O nosso cruzeiro "Millenium Celebrity Cruises"
O quarto um mimo, o glamour, os pormenores, a comida, o acompanhamento, as atividades, a piscina, o jacuzzi, a piscina de talassoterapia. Enfim não tive tempo para tudo o que o cruzeiro oferecia. 
3º Dia
Quando acordei o “hotel flutuante” estava em Key West, que é uma ilha no estreito da Flórida tínhamos a manhã para ir visitar a ilha que é bem pitoresca e onde à polícia chamamos “sheriff”. Locais a visitar a casa de Hemingway, a base naval, Casa
Marina, o Forte Matello.
 Key West
De volta ao cruzeiro rumo a Cozumel, México…. E de volta à vida “chata” do cruzeiro. Jacuzzi, a piscina de talassoterapia e a espreguiçadeira ao solinho!
Nesta noite houve o jantar formal, homens de fato e smoking e mulheres de…  bem na verdade gostava de vos dizer apenas vestidos elegantíssimos, mas eu vi de tudo, elegantes, não elegantes e a roçar o ordinário.
4º Dia
Cozumel – depois do almoço fomos de autocarro privado para uma visita pela ilha, paramos numa destilaria de Tequila, no El Mirador, visitamos El Cedral, uma antiga cidade Maia (a propósito o Guia informa que o mundo não vai acabar este ano, por favor não alterem o que os Maias disseram, é apenas o fim de um ciclo). E seguimos para a Praia Maia Beach Park, onde apanhamos solinho ao final da tarde, de volta ao Porto de Cozumel deu tempo para umas comprinhas mexicanas, antes de entrarmos a bordo.
 o Sr. da destilaria em Cozumel
 El Cedral, aldeia Maia
5º Dia
Foi de navegação rumo a Miami – neste dia o cruzeiro organiza muitas atividades e é também o dia em que a tripulação se vem despedir de nós.
 Cruzeiro último dia - atividades organizadas pela tripulação
6º Dia
Chegada a Miami – depois fomos mais uma vez em autocarro privado em direção ao Parque Nacional de Everglades, a única área subtropical preservada da América do Norte. Na verdade, o parque possui uma flora tanto subtropical, como tropical, sendo famoso pela quantidade de pássaros, além dos jacarés e crocodilos. Com uma área de 6.105 km², Everglades recebe cerca de um milhão de visitantes anualmente, estando classificado como património mundial pela UNESCO. Andamos de aircrafts o que é fixe, e vimos alligators o que é medonho!

Um alligator fofinho  

Depois ainda fomos em direção a “Little Cuba/Havana” para almoçarmos na Casa Juancho.
Esta zona de Miami foi ocupada por cubanos nos anos 60 e praticamente só se fala espanhol.

Só para que conste entramos todos de forma não apropriada! 

Depois do almoço rumamos ao aeroporto de Miami.


7º Dia – chegada deprimente a Lisboa pois estava frio e a chover e o meu corpinho já não estava habituado a menos de 26®.

Coisas que me ficaram na cabeça:
- Quero voltar!
- Se pudesse tinha ficado mais um dia em Miami Beach, para conhecer melhor o estilo noturno e fazer mais compras.
- Os pequenos-almoços são divinais, ainda salivo a pensar neles.
- Aquele colchão do Hotel é para lá de divinal.
- Devia viver todo o ano naquela temperatura e assim era realmente mais feliz!
- Quero fazer um cruzeiro com o meu grupo de amigos, nem que seja ali no tejo.
- Quero voltar aos Estados Unidos, nem que para isso poupe durante os próximos 10 anos.
- Dentro do barco está sempre frio por causa do ar condicionado, a quem é friorento como eu não esquecer casaquinhos leves.
- Enjoei no barco no dia em que chegamos e saímos do México.
- Na América é tudo em grande exatamente como tinha no meu imaginário, carros, pessoas, comida e “boobs”.
- Ah e a Ibéria portou-se mal, muito mal, atrasos, perdas de ligação, comida para lá de horrível e partiram-me a mala que a Finesse me emprestou! Shame on you!





2 comentários:

Moca disse...

Que belo report...quero lá voltar :)

Anónimo disse...

Bela viagem...


Zezinhas