Esta tarte é fresca, rápida de se fazer e para os amantes de chocolate é uma tentação pois mistura numa só tarte o preto, de leite e branco... Eu cá gosto de todos!
Esta receita foi tirada de um blog que gosto muito, Dona Bimby.

Base:


Ingredientes:
  •  1 pacote de bolacha maria
  •  100 g de margarina

Preparação:
Colocar o pacote de bolacha  no copo da Bimby e dar 3 golpes de turbo  e depois uns segundos/ vel. 5. Juntar a margarina e programar 2 min/ Temp. 70º/Vel. 2,5. Colocar a bolacha numa forma de mola e calcar até fazer uma camada uniforme. Colocar no frigorífico.


1ª Camada - Chocolate preto:

Ingredientes:
  • 150 g  de chocolate preto
  • 50 g de açúcar
  • 1 pacote de natas 
  • 300 g de leite
  • 1 pacote de cuajada

Preparação:
Colocar no copo o chocolate preto, partido aos pedaços, o açúcar, as natas, o leite e a cuajada e programar 5 min/temp 90ºC/vel 3 (atenção à bimby durante o 1º minuto pois vai trepidar um pouco e é melhor ficar de olho). Retirar a forma do frigorífico  e colocar num sitio firme para que cada uma das camadas solidifique de forma homogénea. Com a ajuda de uma colher de sopa, ir deitando o conteúdo da 1ª camada devagar sobre a colher, de forma a que liquido caia sobre a bolacha de uma maneira menos bruta para que a bolacha não se misture com o liquido (fazer de igual forma para cada uma das outras camadas).
 


2ª Camada - Chocolate de leite

Ingredientes:
  • 150 g  de chocolate de leite
  • 50 g de açúcar
  • 1 pacote de natas 
  • 300 g de leite
  • 1 pacote de cuajada

Preparação:
Lavar o copo e secar e depois colocar o chocolate de leite, partido aos pedaços, o açúcar, as natas, o leite e a cuajada e programar 5 min/temp 90ºC/vel 3 (atenção à bimby pois durante o 1º minuto pois vai trepidar um pouco e é melhor ficar de olho). O tempo de fazer esta 2ª camada é o suficiente para que a 1ª camada fique mais sólida, com a ajuda da cuajada as camadas ficam sólidas muito rapidamente depois com a ajuda de um garfo riscar a superfície da 1ª camada de forma a que a 2ª camada adira à 1ª sem se misturar.


3ª Camada - Chocolate branco

Ingredientes:
  • 150 g  de chocolate branco
  • 50 g de açúcar
  • 1 pacote de natas 
  • 300 g de leite
  • 1 pacote de cuajada

Preparação:
Lavar o copo e secar e depois colocar o chocolate branco, partido aos pedaços, o açúcar, as natas, o leite e a cuajada e programar 5 min/temp 90ºC/vel 3 (atenção à bimby pois durante o 1º minuto pois vai trepidar um pouco e é melhor ficar de olho). Com a ajuda de um garfo riscar a superfície da 2ª camada de forma a que a 3ª e ultima camada adira sem se misturar.

Depois de colocar a 3ª camada levar ao frigorífico e antes de servir decora-la, no meu caso decorei com umas raspas de chocolate preto.







.


 

Eu adoro borrego e quando vi esta receita, no livro "7 dias com a Bimby",  ficou logo na lista de receitas prioritárias, confesso que é a primeira vez que a faço feijoada porque não é um prato que adore de paixão, e desafiei-me para esta por ser de borrego e correu lindamente e ficou tão deliciosa.

Ingredientes:
  • 2250 g de água
  • 500 g de couve-lombarda cortada em tiras
  • 150 g de cebola
  • 2 dentes de alho
  • 150 g de cenoura
  • 150 g tomate em pedaços
  • 30 g azeite
  • 100 g bacon em cubos
  • 150 g vinho branco
  • 1 farinheira
  • 1/2 chouriço de carne
  • 450 g borrego cortado em pedaços
  • 1 folha de louro
  • 2 caldos de legumes
  • 500 g de feijão branco cozido e escorrido
  • 500 g de feijão manteiga cozido e escorrido
Preparação:

1º Passo - Escaldar a couve lombarda
Colocar no copo 2000 g de água e programar 15 min/varoma/vel 1. Existem maneiras mais rápidas de ferver a água, mas eu neste caso enquanto a água estava a aquecer na bimby, aproveitei para lavar e cortar em pedaços a couve-lombarda. Depois colocar a couve cortada em tiras num recipiente e colocar a água a ferver por cima da couve e aguardar 10 minutos.
2º Passo - Triturar e refogar
Colocar a cebola, o alho, a cenoura, o tomate e o azeite no copo e triturar 20 seg/vel 7 e refogar 5 min/varoma/vel 1.
3º Passo - Adicionar o bacon e o vinho e programar 3 min/varoma/vel 1.
4º Passo - Colocar a couve escorrida na varoma, a farinheira e o chouriço de carne. Picar os enchidos para não rebentarem.
5º Passo - Adicionar o borrego, o louro, os caldos de legumes e 150 g de água, colocar a varoma e programar 25 min/varoma/vel colher inversa. No final retirar a varoma e reservar a couve. Cortar o chouriço às rodelas.
6º Passo - Adicionar o chouriço às rodelas, o feijão-branco, o feijão-manteiga e 100 g de água e programar, sem copo de medida, 8 min/100ºC/vel colher inversa. Colocar o certo para evitar os salpicos. Com a ajuda de uma espátula envolver num recipiente com a couve e a farinheira cortada às rodelas. Servir bem quente e para quem gosta como eu juntar um belo arroz branco.














Este Boutique Hotel de charme, com uma localização privilegiada, fica a 2 minutos de uma das entradas principais de Fátima e a 400 metros do Santuário. As zonas publicas do Hotel são de um grande conforto, o Dom Gonçalo Hotel&Spa tem um centro de bem estar e spa que os hospedes poderão usufruir gratuitamente. É um hotel certamente a repetir mas num quarto da zona mais recente do hotel.




Avaliação Global:8,8

  • Limpeza -9,0
Uma das coisas que mais gosto de sentir num hotel é o conforto da limpeza, o cheiro a limpo e fresco, e neste campo não terei nada a apontar.

  • Localização -9,0
Uma óptima localização, mesmo junto a uma das saídas/Entradas de Fátima e fica a cerca de 400 metros do santuário.

  • Comodidades - 9,0
Tem centro de bem estar e spa, as salas confortáveis. O ambiente acolhedor, tem um espaço exterior com jardim, restaurante.



  • Funcionários - 9,5
Muito simpáticos.


  • Conforto -8,0
Para mim o conforto engloba várias componentes, a limpeza, o ambiente, a estética, a temperatura no interior das instalações, a simpatia de toda a equipa, e uma das coisas mais importantes e que muitos hotéis não dão a devida importância, é o conforto da cama, um bom colchão faz toda a diferença por todas as razões conhecidas, e neste ponto o hotel na minha opinião tem nota negativa. O quarto onde ficamos é designado como clássico e fica na parte mais antiga do hotel e não gostei absolutamente nada do colchão.
Em relação ao spa a utilização é gratuita, basta apresentar o voucher oferecido aquando do check-in e que tem a duração de 2 horas, é obrigatório a utilização de toucas. A internet está disponível em todo o hotel, inclusive no quarto.

  • Relação qualidade/preço -8,5
Como referi anteriormente, o nosso quarto ficava na ala antiga do hotel, não cheguei a conhecer nem a experimentar os colchões da ala nova, designados como quartos design, mas a considerar pelas fotos que o site do hotel apresenta parece mais confortável. Mas numa consideração final o hotel é muito bonito e vale a pena passar por lá mas ficando nos quartos design.



Nota: esta classificação é atribuída após a nossa experiência no Hotel







E foi em 1994 que uns jovens interessados em espeleologia e fósseis, descobriram num final de tarde vários trilhos de alguns dos maiores seres vivos que alguma vez habitaram a terra, numa pedreira perto de Fátima.
Graças à curiosidade de uns e à sensibilização de outros, a pedreira foi encerrada, preservando-se até hoje as pegadas. E como é que não desapareceram ao longo dos tempos? Simples, quando os dinossauros passaram por ali, o terreno estava lamacento, secou e ao longo do tempo foram se acumulando sedimentos que deram origem a camadas, e ficaram protegidas ao longo dos tempos, até um dia essas mesmas camadas serem removidas. E porquê que é tão importante preservar as pegadas? Porque nos ajudam a perceber como estes animais andavam, se em duas ou quatro patas, como se relacionavam, se andavam isolados ou em grupo, as pegadas contam muito mais do que aquilo que qualquer um de nós poderia pensar.
Estes vestígios foram identificados como sendo de dinossauros saurópodes com mais de 175 milhões de anos. Animais de grande porte, herbívoros, quadrúpedes de cabeça pequena com cauda e pescoço compridos.
A visita começa com um vídeo, que nos situa no tempo e no espaço. E depois continuamos esta viagem jurássica, percorrendo trilhos que nos levam até às tão desejadas pegadas. Podia ser uma viagem muito cara, pois faz-nos percorrer 175 milhões de anos, mas ainda bem que não é, e que está ao alcance de todos poder visitar e apreciar esta relíquia que foi tão bem preservada. 










As grutas da moeda situam-se a 3 minutos de Fátima em S. Mamede, concelho da Batalha e foram descobertas em 1971 por dois caçadores que perseguiam uma raposa que acaba por se esconder num algar, motivados pela curiosidade, entram e exploram aquelas galerias de grande beleza natural e repletas de inúmeras formações calcárias que viria a ser de um grande interesse cientifico e mais tarde turístico.
A cada uma das salas e galerias foram atribuídas denominações, sugerindo diferentes imagens: Lago da Felicidade, Sala do Presépio, Pastor, Cascata, Cúpula Vermelha, Marítima, Capela Imperfeita, Abóbada Vermelha e Fonte das Lágrimas. A extensão visitável da Gruta é de 350 metros e a sua profundidade é de 45 m abaixo da cota de entrada. A temperatura ronda os 18.º C, mantendo-se constante todo o ano.
E porquê grutas da Moeda?
Conta a lenda, que um homem abastado das redondezas, ao passar por um matagal em torno de um algar, foi atacado por um bando de malfeitores que lhe tentaram tirar o saco de moedas que trazia à cintura. O homem ao se desequilibrar e cair no algar, arrasta consigo o saco das moedas espalhando-as pelo pelo precipício, perdendo-se irremediavelmente, o que deu ao algar o nome pelo qual ainda hoje é conhecido.


Fonte: http://www.grutasmoeda.com
A granola é uma mistura de frutos secos, sementes, grãos e açúcar amarelo e foi inventada por um médico suíço em 1886. 
É a primeira vez que a faço e gosto particularmente porque me deixa muito mais saciada até ao almoço. Junto a granola a um iogurte natural e já não preciso de adicionar açúcar. Fica também muito bem, e apenas naqueles dias da asneira, por cima de uma bola de gelado...hum, que delicia.
Ingredientes:
  • 180 gr. de flocos de aveia
  • 70 g de sementes de abóbora
  • 70 g de sementes de linhaça
  • 100 g de amêndoa
  • 3 colheres de sopa de açúcar amarelo
  • 40 ml de azeite
  • 20 ml de mel
  • Passas q.b.

Preparação:
Colocar a amêndoa na bimby e programar 10seg/ vel.4  e reservar. Passar o copo por água e colocar o azeite e o mel e programar 3 min/ 100º/ vel 1. Numa taça colocar todos os ingredientes excepto o preparado de azeite e mel, misturar tudo muito bem, ir adicionando o preparado e ir misturando para ficar tudo homogéneo. Colocar num tabuleiro e ir ao forno a 160ºC durante 20 minutos, a meio tempo mexer.

Fonte:http://decozinhaemcozinha.blogspot.pt

Granola

by on 19:26
A granola é uma mistura de frutos secos, sementes, grãos e açúcar amarelo e foi inventada por um médico suíço em 1886.  É a primeir...







E foi numa escapadinha pitoresca que me deparei com esta aldeia, completamente recuperada quase que parece um cenário de tão bem urbanizada que está. Fica na freguesia de S. Mamede (Câmara Municipal da Batalha), e  apenas a 10 km de Fátima, chama-se Pia do Urso.
Mas não foi só uma aldeia recuperada que me encantou, foi o facto desta mesma aldeia estar envolvida de um ecoparque sensorial, com um caminho próprio para invisuais que os ajuda a identificar o caminho correcto para percorrer todas as estações, estações estas que têm a explicação em braille, assim temos um parque para todos, porque cada um de nós tem o direito de saber e sentir aquilo que nos rodeia. 

Estruturas do ecoparque:
Estação do planetário – apresenta as várias fases da lua e descreve o sistema solar 

Estação do ciclo da água – composta por uma nora e um engenho que recriam o princípio da energia 
Estação do jurássico – é uma alegoria ao período dos dinossauros
Estação da alegoria – representa a marcha das tropas de D. Nuno Álvares Pereira entre Ourém e Porto de Mós, na véspera da Batalha de Aljubarrota, com passagem pela Pia do Urso
Estação lúdica – com um puzzle ‘gigante’ em madeira e jogos
Estação da Pia do Urso – composta pela pia onde, segundo a lenda, iria beber um urso que vivia nas redondezas da aldeia e que deu origem ao nome da povoação
Pia do amor – composta por uma pia que tem a configuração natural de um coração
Estação musical – com diversos dispositivos musicais (gongo, xilofone, cabaça, castanholas, etc)
E ainda: Parque infantil, Miradouro, Parque de estacionamento para automóveis e autocarros (localizado à entrada do parque), Casas de banho, Chafariz, Centro de interpretação (a concluir dentro de quatro meses) e Posto de informação.


Fonte:http://alvegadn.blogspot.pt

Quando me sobram claras de outras receitas, guardo-as sempre, congelo e depois faço qualquer coisa, mas há tempos tinha visto esta receita no blog da Luisa Alexandra e então decidi experimentar. Normalmente fazia o "salvador de claras" mais conhecido como Molotof mas esta receita fica tão saborosa e fofa que vale mesmo a pena experimentar.


 Ingredientes:
  • 5 claras
  • 1 pitada de sal
  • 180 g de açúcar
  • 100 g de margarina
  • 350 g de farinha com fermento
  • 200 ml de leite
  • 1 colher sopa de óleo
  • Raspa de 1 limão
  • pepitas de chocolate

Preparação:
Colocar as claras e a pitada de sal no copo da bimby com a borboleta,  e programar 5 min. vel. 4, e reservar. Colocar a margarina e o açúcar e programar 1 min., vel. 4. Adicionar a farinha e com a bimby em funcionamento na vel. 1, ir adicionando o leite aos poucos. Adicionar a raspa de limão e programar 15 seg. vel.4. Adicionar as claras, reservadas e envolver na vel. 3 durante uns segundos. Colocar numa forma e levar ao forno a 180ºC durante 35 minutos.




O pudim abade de Priscos é tipico de Braga, e foi inventado pelo abade Manoel Joaquim Rebello mais conhecido pelo abade de priscos. Este pudim foi um dos candidatos finalistas às 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa e hoje tem uma confraria que tenta preservar as poucas receitas que o abade deixou e que ainda chegaram aos dias de hoje.
Conta a história que foi um dos melhores cozinheiros portugueses do seculo XIX e que por esse motivo foi convidado para preparar o Régio banquete a El-Rei D. Luís I e sua Família Real. O Rei, ficou tal maneira agradado com o desempenho do Abade que o mandou chamar para o conhecer pessoalmente. D. Luís quis saber qual a composição de um prato delicioso que tinha um sabor único. O Abade sorridente afirmou – Era palha, real Senhor!

-Palha!? Disse o monarca espantado. – Então dá palha ao seu Rei!?
O Abade baixando a cabeça e com sorriso malandro, esclareceu: -Majestade! Todos comem palha, a questão é sabê-la dar…




Eu bem sei que este pudim é uma bomba calórica, mas eu adoro. 

Receita Tradicional


Ingredientes:
  • 250g de água
  • 500g de açúcar
  • 15 gemas
  • 1 cálice de vinho do porto
  • Casca de limão
  • 1 pau de canela
  • 2 fatias de presunto/ou Bacon
  • Caramelo líquido
Preparação:
Colocar num tacho 250g de água, o açúcar, a casca de limão, o pau de canela e o presunto e levar ao lume até chegar ao ponto chamado de voar, e este ponto de açúcar verifica-se mergulhando uma espumadeira na calda, retirar  e soprar para verificar se se formam bolas (tipo de sabão), a temperatura deste tipo de calda anda à volta dos 110ºC.
Á parte, colocam-se as 15 gemas numa taça e junta-se o cálice de vinho do porto e mexe-se um pouco, não muito para não se retirar a cor amarela.
Juntar a calda de açúcar em fio às gemas e ir sempre mexendo. Por fim e utilizando um coador de rede fina, coar o preparado. Entretanto colocar numa forma uma quantidade de caramelo líquido e colocar o preparado por cima, levar ao forno em banho maria durante 50 minutos a 1hora.


Calda de Açucar feita na bimby

Colocar a água e o açúcar e programar 15 min., temp. varoma, vel.2.
 
Fonte: http://coisasdabrigitte.blogspot.pt/2012/03/dia-do-pai.html


Obrigado ao meu Pai, por tudo o que me ensinou e que me vai ensinando e se hoje sou a pessoa que sou muito devo a ele, pela orientação, pelos valores, pelo amor e pela coragem.

Dia do Pai

by on 19:34
Fonte: http://coisasdabrigitte.blogspot.pt/2012/03/dia-do-pai.html Obrigado ao meu Pai, por tudo o que me ensinou e que me vai ensinan...
Foi o monumento mais visitado em Portugal o ano passado e o que eu mais visitei em todos os tempos. Era um dos sítios que escolhíamos em crianças  para brincar, fazer expedições e piqueniques. Vivíamos num bairro perto e aos fins de semanas lá íamos nós conquistar o castelo. Uma época em que ainda haviam pavões e que a entrada era totalmente gratuita.
Mais tarde foi palco de grandes festas medievais promovidas pela cerveja Sagres {não perdi nenhuma}.
Agora, continua a fazer as maravilhas dos que ainda não conhecem, e uma das melhores coisas que o castelo oferece é a deslumbrante vista sobre a cidade e o Tejo e que o torna tão conhecido pelo mundo fora.
Já existe a algum tempo mas só agora dei com este site. Beruby é uma plataforma que junta vários tipos de ganhos on-line num só sitio. Podemos ganhar por visitar páginas, ganhamos por comprar através desta plataforma, e também ganhamos através de cupões. Deixo aqui o vídeo para verem com os próprios olhos a oportunidade que se pode estar a perder. A oportunidade de poupar e até mesmo de ganhar dinheiro.





   

E haverá melhor presente que este, um sábado cheio de sol e um almoço junto ao rio com o maridinho?

Um feliz dia para todas as mulheres.

E já lá vão dois anos de partilhas e desabafos. E hoje partilho uma receita que uma colega de trabalho partilhou comigo, não ficou com o aspecto mais lindo do mundo, confesso que é a primeira vez que faço uma torta, aliás muitas das receitas que aqui partilho foram as primeiras experiências, e na hora de enrolar partiu, mas tem um sabor tão delicioso que vale a pena partilhar com vocês.

Ingredientes:
  • 6 ovos
  • 400 g de açúcar
  • 200 g côco ralado
  • 125 g margarina
  • 2 limões (só a raspa)

Preparação:
Colocar todos os ingredientes na bimby e programar  15 seg na vel. 3. À parte derreter a margarina e juntar à massa e misturar na velocidade 3 alguns segundos. Espalhar a massa num tabuleiro forrado com papel vegetal e levar ao forno pré-aquecido a 200ºC durante 25 minutos. A torta será enrolada num pano polvilhado de açúcar, deixar ficar no pano até arrefecer e depois enrolar.

Torta de côco

by on 00:01
E já lá vão dois anos de partilhas e desabafos. E hoje partilho uma receita que uma colega de trabalho partilhou comigo, não ficou com o...

Há 7 anos ele esteve cá, e eu tive o privilégio de o ver e ouvir ao vivo e a cores e apenas à distância desta fotografia. Ainda me lembro, de em criança(vá, pré-adolescente) ouvir o disco de uma vizinha e de lhe pedir se um dia não o quisesse para me dar. Ela nunca me deu porque tal como eu adora ouvir o George Michael, hoje não tenho um disco, tenho muitos CD's e quando ele cá voltar, lá estarei eu outra vez a aplaudir.


 
Este é o mais recente livro cá de casa. Por acompanhar o blog da Catarina e por sentir que ela fala com o coração, por ter acompanhado a transformação (atráves do blog/facebook) e por sentir muita curiosidade numa outra história que não a minha, por estas razões e mais algumas, comprei o livro. 
Em Julho de 2012 iniciei a dieta dos 31 dias e consegui num mês perder cerca de 5 kg (os primeiros 31 dias estão registados aqui no blog), continuei motivada e os quilos diminuíam, depois mais lentamente mas lá iam baixando, estabilizou e entretanto quase sem dar por isso começa a subir devagarinho, mas sempre com a promessa que é o ultimo disparate que se faz. De um dia da asneira passei para dois e os alimentos viciantes começam a ser consumidos em maior quantidade até chegar quase ao ponto de partida. A culpa, a pressão e a frustração começam a apoderar-se de nós. Tive uma nutricionista que um dia me disse que o problema das dietas é que nós temos uma alma, que se fossemos só corpo fazíamos apenas as contas e seria só ingerir o necessário para sobreviver, e o problema é que a nossa vontade vai para além daquilo que necessitamos por dia. 
E tenho-vos a dizer que este livro vai mesmo para além das calorias e que está a ser uma inspiração.

Não sei se isso vos acontece, mas eu quando compro uma peça nova corto sempre as etiquetas, primeiro porque fazem comichão e depois elas são cada vez maiores que acabam por fazer volume e vai daí faço-as desaparecer. Mas é na etiqueta que vem toda a informação para se cuidar bem da peça de roupa, então encontrei estas tabelas que me ajudam a ver os cuidados para cada tipo de tecido (isto para as peças que já não têm etiqueta) e o que cada símbolo significa (para as outras peças onde ainda resiste a etiqueta). Agora é só imprimir e colocar junto à máquina de roupa.