O dia do meu Casamento




" Há dias que marcam a Alma e a Vida da gente..."  e o dia do meu casamento ficará registado para sempre na minha memória, não posso dizer que é o dia mais feliz da minha vida...seria muito redutor...mas é certamente um dos dias mais felizes. 
Nas vésperas do meu casamento deitei-me cedo, estava completamente quebrada, tive um dia cheio e ainda bem porque assim que caí à cama nem pestanejei e dormi como se não houvesse no dia seguinte o meu casamento. E só acordei cedo porque a minha mãe me foi chamar, e ainda bem senão aqueles pesadelos que tinha tido meses antes tinham-se tornado realidade {todas as noivas uns meses antes sonham que entram na igreja despenteadas, sem vestido e tantas outras aberrações}. Arranjaram-me o cabelo e maquilharam-me tudo dentro do tempo que tinha calculado, vesti-me com a ajuda da minha madrinha (que foi a minha irmã) e da minha mãe, estava pronta e ainda andava um reboliço lá em casa entre tios, irmãs, sobrinha, pais, primos, cunhados, andavam de um lado para o outro a apressarem-se e eu já estava pronta e tranquila á espera do fotografo...tinha uma ideia de contrariar o típico atraso das noivas. Saí de Lisboa a caminho de Alenquer, ao som de Mariza...foi uma óptima ideia do meu amigo Tiago, a musica perfeita para relaxar. 
Cheguei atrasada...claro!
Entrei na Igreja da Aldeia Galega da Merceana, uma Igreja LINDA ao som de Ave Maria! Podia ter sido perfeito, se não fosse a senhora do coro desafinar logo na primeira nota. Não é nada católico e muito menos romântico mas a primeira coisa que pensei foi "raios da mulher que já me estragou o momento"
Mas mesmo as notas mal dadas não acabaram com a minha calma e serenidade, e à medida que ia subindo até ao altar ia ficando ligeiramente nervosa e com o queijo a tremer de emoção. Olhei sempre para todos sorrindo e orgulhando-me por ter conseguido reunir as pessoas que queríamos que estivessem no nosso dia. Cheguei perto do noivo e é uma cumplicidade enorme, os sorrisos, o carinho, a ternura... dei por mim nas nuvens a olhar para tudo e a sorrir.
Na quinta foi tudo muito bom {Quinta da Bichinha}, um espaço muito bonito, com requinte, espaços exteriores muito bem cuidados, tranquilidade, boa comida, simpatia, beleza, boa musica {Franjas}, dançamos, divertimos-nos, cantamos, e passamos um grande dia entre família e amigos. 
E hoje, analisando as coisas à distância percebo que o mais importante não é ter a festa perfeita, tive o vestido que queria. Contratamos o fotografo que mais gostámos. casamos numa igreja lindíssima. Festejamos na Quinta que sempre idealizamos. Tivemos muito boa música. E uma lua de mel de sonho. 
Mas tudo isto não teria qualquer valor se eu não tivesse ao meu lado as pessoas que amo e que desejo que estejam para sempre ao meu lado, o meu marido e a minha família querida. 

2 comentários:

Carla Alves disse...

Ainda bem que assim o recordas, sempre com a cumplicidade que vos caracteriza. Fico contente por ter sido um dia especial, entre muitos nad vossas vidas ;)

O Melhor Vem A Seguir disse...

Obrigada Carla Alves ;)