Coelho


Hoje é o Dia do Livro Português e por este motivo vou partilhar o livro {português} mais recente cá em casa. Comprei-o ontem. Aliás ontem comprei 2 livros do Doutor Pinto Coelho, um para mim e outro para oferecer.
"Chegar novo a velho" é um livro que todos deveríamos ter em casa, desmistifica coisas que sempre pensamos estarem corretas, porque nos fizeram acreditar que era o melhor para a saúde.
Um livro bem sustentado e documentado não só pela vasta experiência do Doutor Pinto Coelho como também por estudos realizados pelo mundo inteiro. Apesar de só o ter comprado ontem, já vou quase no fim, e por ser um livro super interessante já vai na sua 23ª edição.
Como tudo na vida existem Médicos e depois existem os "sapateiros", existem os que se sustentam em estudos e experiência procurando acima de tudo defender a saúde publica e os seus doentes deixando para trás todos os lobbies, e depois existem os outros {os conservadores e mercenários}.
E fico aborrecida por sentir {literalmente} na pele o problema que estes lobbies causam na saúde publica. Recentemente fiz umas análises de rotina e a minha Vitamina D {que afinal não é uma vitamina mas uma hormona} está deficiente, e está provavelmente deficiente a de todas aquelas pessoas que tal como eu não apanham um raio de sol sem se protegerem. Apanho sol frequentemente {adoro sentir o sol} mas normalmente sempre protegida com cremes de proteção solar, até o raio do meu creme de dia tem FPS 15. Muitos médicos, e toda a informação que chega até às nossas casas aconselham-nos a proteger a pele antes de sair de casa. Convencem-nos que o sol é maléfico. Mas tudo isto está longe de ser totalmente verdade.

Vou aprofundar em breve o tema sobre a Vitamina D3 - que afinal é uma Hormona.






Já não via o festival da canção há anos. Em pequena, o festival era quase como o acontecimento televisivo do ano, reunia-se a família toda à volta da televisão para torcer pelas cores da nossa bandeira. Ficava vidrada no quadro das classificações mesmo à espera de ganhar. Nunca ganhamos... E deixei de ficar vidrada.
Nos últimos anos, parecia que os compositores andavam a competir pela liga dos últimos. Ganharam músicas para irem à Eurovisão que não valiam nada, bola, zero.
Este ano dei uma oportunidade e vi a primeira eliminatória, até à música numero 6 achei tudo muito morninho, assim que ouvi "Amar pelos dois" posso dizer que foi amor à primeira nota.
Uma música leve, fresca, com uma letra muito bonita, com uma interpretação sensível, com uns arranjos lindíssimos, enfim uma música com uma qualidade incrível e diferente de tudo o que já foi ao festival. É caso para dizer que os manos Sobral limparam as teias de aranha que havia na composição/interpretação do festival da canção e trouxeram uma lufada de ar fresco.

Quando me manifestei que gostava muito da música muita gente me disse que não era musica de festival e tal. Mas afinal o que é uma música para um festival da canção?

Será que temos de levar sempre as mesmas melodias?
Será que temos de levar músicas popularuchas?
Será que temos de levar sempre letras que contenham Mar e ondas?
Será que temos mesmo de mostrar quem tem os melhores agudos?
Ou será que temos de levar o som da guitarra?

Acredito nesta música da mesma forma que acreditei no Europeu de futebol. Em Maio lá estarei junto da família em frente à televisão, vidrada no quadro das classificações... Tal como antigamente!



casamento






Para mim um casamento distingue-se pelos pormenores, é verdade que menos é mais, e que quem perde um pouquinho mais de tempo a ser criativo arrisca-se a que muita gente não esqueça esse dia tão especial. 
Muitas vezes esses pormenores todos juntos tornam-se caros e saem fora do orçamento de muitos noivos, na minha perspetiva não é preciso gastar rios de dinheiro nestes presentes, eles apenas têm de ser originais e úteis.
Partilho aqui a ideia gira gira do último Casamento que fui, da Ana e do Pedro, uma festa com muito bom gosto e com pormenores deliciosos, e a prenda que a noiva deu às senhoras foi uma caixinha onde se encontrava terra, sementes e um vaso para plantar as sementes de Amor Perfeito. O presente que o Noivo deu aos senhores, foi um envelope com uma raspadinha.
A raspadinha já lá vai, mas foi só hoje que plantei as sementes, e agora é só ir vigiando e regando esta plantinha cheia de amor.
Para quem quer ideias vejam esta página.