Queres ser feliz ou preferes ter razão? #100palavraspordia 51/100

/ quarta-feira, junho 21, 2017


Esta pequena história foi-me contada pela minha querida Carina. E gostei tanto. É verdade que às vezes quero demonstrar muito que estou certa, mas também sei que essa escolha muitas vezes não nos traz nada de positivo. 


"Um casal tem um jantar marcado na casa nova de uns amigos, já um pouco atrasados, e sem saberem bem o caminho, ela decide consultar o Google maps antes de sair de casa.
Ele decide conduzir o carro. 
Ela orienta e que é para virar, na próxima rua, à esquerda.
Ele tem a certeza de que é à direita. 
Discutem e percebem que além de atrasados, vão ficar de mau humor por estarem a discutir. Então ela deixa que ele decida.
Ele vira à direita e percebe rapidamente que estava errado. Embora com alguma dificuldade, admite o erro enquanto faz a inversão de marcha. 
Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem alguns minutos atrasados.
E no fim ele pergunta: "Se tinhas tanta certeza de que íamos pelo caminho errado, devias ter insistido um pouco mais..."
E ela responde: "Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz. Estávamos à beira de uma discussão, e se eu insistisse mais, teríamos estragado a  nossa noite!"


Quem é que já não passou por algo semelhante? 
O tempo que se perde com uma discussão que nos tira a paciência e que no fundo não nos leva a lado algum.
Sei de muita gente que deveria ler esta história e inspirar-se numa vida mais feliz em vez de querer levar sempre a bicicleta.
Eu confesso que sempre gostei muito de bicicletas mas que uma das melhores coisas que a idade me tem trazido é a inteligência emocional e de querer ser apenas teimosamente feliz.


Esta pequena história foi-me contada pela minha querida Carina. E gostei tanto. É verdade que às vezes quero demonstrar muito que estou certa, mas também sei que essa escolha muitas vezes não nos traz nada de positivo. 


"Um casal tem um jantar marcado na casa nova de uns amigos, já um pouco atrasados, e sem saberem bem o caminho, ela decide consultar o Google maps antes de sair de casa.
Ele decide conduzir o carro. 
Ela orienta e que é para virar, na próxima rua, à esquerda.
Ele tem a certeza de que é à direita. 
Discutem e percebem que além de atrasados, vão ficar de mau humor por estarem a discutir. Então ela deixa que ele decida.
Ele vira à direita e percebe rapidamente que estava errado. Embora com alguma dificuldade, admite o erro enquanto faz a inversão de marcha. 
Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem alguns minutos atrasados.
E no fim ele pergunta: "Se tinhas tanta certeza de que íamos pelo caminho errado, devias ter insistido um pouco mais..."
E ela responde: "Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz. Estávamos à beira de uma discussão, e se eu insistisse mais, teríamos estragado a  nossa noite!"


Quem é que já não passou por algo semelhante? 
O tempo que se perde com uma discussão que nos tira a paciência e que no fundo não nos leva a lado algum.
Sei de muita gente que deveria ler esta história e inspirar-se numa vida mais feliz em vez de querer levar sempre a bicicleta.
Eu confesso que sempre gostei muito de bicicletas mas que uma das melhores coisas que a idade me tem trazido é a inteligência emocional e de querer ser apenas teimosamente feliz.
continuar a ler




Quando falamos de felicidade é importante distinguir a felicidade baseada nos valores e a felicidade baseada no prazer.
A felicidade baseada nos valores é uma construção, um caminho de forma a conseguirmos atingir os nossos objectivos, são os valores e os pilares onde assenta a nossa vida, é a nossa estrutura. A felicidade baseada no prazer é instantânea e não dura mais que umas horas.
Qualquer um de nós poderá encontra felicidade ao comprar aquele carro de sonho, ao fazer aquela viagem que há tanto tempo se desejada, por ter uma boa posição profissional, mas de que é que vale tudo isto se os valores de vida forem medíocres e que ao mesmo tempo não nos satisfaçam a longo prazo?
É tempo de reflectir, meditar e melhorar comportamentos. Para os que acham que os problemas estão só nos outros e que não têm de melhorar nada, nunca estiveram tão longe da verdade. Para os outros que como eu estão dispostos a uma constante aprendizagem, a superarem-se a ouvirem criticas tentando sempre se corrigi, ficam aqui 10 estratégias para atingir a felicidade.


 1. Auto-Estima:
Auto-estima é a avaliação que fazemos de nós próprios, envolvendo crenças, emoções e comportamentos. É a capacidade que temos de respeitar, confiar e gostar de nós mesmos. Se não cuidarmos do nosso interior nunca nos vamos conseguir sentir confiantes e optimistas.

 2. Generosidade:
É a qualidade de fazer algo de positivo aos outros. Por norma, pessoas generosas por natureza são pessoas muito mais tranquilas e bem resolvidas.

 3. Optimismo/Positividade:
É tempo de pensar positivo e de rectificar comportamentos de forma a conduzir ao sucesso pessoal. Há um exercício muito simples que nos devolve toda a tranquilidade de que necessitamos, que passo a cita-lo, quando a nossa mente for atingida por um pensamento negativo, anula-o imediatamente com um pensamento oposto. Não vale a pena alimentar a mente com pensamentos negativistas pois leva-nos muitas vezes a um sofrimento inútil e tira-nos energia e clareza, acabando por nos levar muitas vezes a cometer erros.

 4. Disciplina:
Quando nos propomos a um desafio/objectivo, temos de encarar isso como algo de muito sério, quando não conseguimos cumprir aquilo a que nos propusemos, sentimos culpa e isso recaí directamente na nossa auto-estima. 

 5. Inteligência emocional:
É a capacidade de identificar, gerir e expressar correctamente os nossos sentimentos, e conseguir identificar o mesmo nos outros. Controlar as emoções é a chave para o bem estar emocional.

 6. Gratidão:
É importante sermos humildes e reconhecer quando alguém é generoso connosco e nos presta algum tipo de ajuda, seja ela qual for. É muito importante dizer obrigado.

 7. Meditação/Espiritualidade:
Enganem-se aqueles que pensam que espiritualidade ou meditação é  coisa de religiões. Meditação vem do latim meditare que significa, desligar-se do mundo exterior voltando-nos para dentro de nós próprios. Estudos recentes, demonstraram que a meditação altera fisicamente o cérebro tornando algumas áreas mais densas e fortes, optimizando assim o seu funcionamento.

 8. Cuidar do corpo:
"Mente sã em corpo são", é uma expressão bastante utilizada e que faz todo o sentido, só um corpo são pode ter uma mente sã. Se um corpo estiver doente não vamos conseguir ser felizes nem conseguir cumprir com os pontos acima referidos. Uma alimentação saudável, a prática de exercício físico regular, o descanso aconselhado para cada organismo, vai levar-nos sem dúvida a um corpo saudável.

 9. Relação com os outros:
Gerir a relação com os outros é um desafio permanente. Por natureza somos seres sociais, necessitamos de interagir, comunicar, pertencer a grupos partilhar experiências e ideias. Se formos honestos connosco e com os outros, tentando evitar os conflitos e sabendo ceder sempre que for necessário, teremos certamente relacionamentos muito mais interessantes, saudáveis e felizes.

 10. Perdoar:
O perdão não é fraqueza, é coragem, de quem pede perdão e de quem perdoa. Saber perdoar é uma virtude, é necessário e deixa-nos mais leves e livres de ressentimentos e raivas.

E tu como é que lidas com cada um destes pontos?




Neste momento as vitimas mortais do grande incêndio de Pedrogão Grande chega já às 63. 

E na minha perspectiva há culpados e não são poucos. 

Já ouvi e li muita coisa na comunicação social, sobre o facto de se plantar nas florestas sobretudo eucaliptos e pinheiros bravos Entendidos na matéria têm alertado para a situação de catástrofe, devido à casca do eucalipto ser bastante inflamável e com vento forte pode atingir 1,5 a 3 km de distância, vento este que muitas vezes é devido às correntes criadas pelo próprio fogo.
Por outro lado existem leis, e pelo que sei as leis foram feitas para se cumprir, e quando não são cumpridas existem coimas. 
Então vamos lá ver ao que a lei obriga, qualquer árvore plantada tem de ter 10 metros de afastamento em relação à via, e entre árvores um afastamento de 4 metros, não podendo existir entre elas vegetação subarbustiva.
Em relação às casas a vegetação em estado selvagem tem de estar a 50 metros, a primeira árvore a pelo menos 5 metros e entre árvores tem de se cumprir os mesmos 4 metros.
As florestas que arderam não cumpriam a lei, e isso está muito claro na imagem.
Nem câmaras, nem GNR, nem a autoridade florestal nem ninguém competente intervieram nestes casos de forma a evitar aquilo que aconteceu, uma catástrofe.
No inicio da década de 90 houve um incêndio muito forte naquela zona, cercou a minha aldeia, queimou tudo à volta, e o que é que se fez? Voltou-se a plantar tudo outra vez, sem respeitar distâncias, sem qualquer tipo de gestão e passados vinte e tal anos voltou tudo a arder. 
Espero que se aprenda de uma vez por todas a lição, e que agora se cumpra a lei de forma a daqui a 25 anos não acontecer tudo outra vez.

É importante apurar responsabilidades junto dos governos que deram preferência a um determinado tipo de gestão florestal, sabendo do perigo que corriam, às entidades competentes por não fiscalizarem. Também não está esquecido a compra ridícula de submarinos em vez de aviões canadair. Parece mesmo uma brincadeira de miúdos mimados que querem brincar aos países ricos.

Os dois submarinos custaram 1000 milhões de euros, um avião canadair, que tanta utilidade nos trás, custa 37 milhões de dólares. Lembro que todos os anos temos vários incêndios graves em Portugal, e que todos os anos alugamos aviões...

As duas aeronaves alugadas para o combate aos incêndios terão feito, até agora, cerca de 1350 horas de voo. Segundo o contrato assinado a 15 de maio de 2015, cada hora de voo resulta num custo de 3703 euros -Expresso

Quantos canadair poderíamos comprar com 1000 milhões de euros?

Quantas vidas podíamos ter poupado se as florestas cumprissem a lei, e se houvesse uma politica de gestão florestal eficaz e inteligente?

E se houvesse aviões suficientes no inicio do combate aos incêndios? Será que o fogo se tinha alastrado desta forma?

Muitas perguntas, muitas dúvidas mas a certeza que estamos a ser governados por desgovernados.




Nem sei bem como começar...
Antes do fogo chegar à aldeia dos meus avós, matou 61 pessoas, 62 ficaram feridas, famílias inteiras que morreram, crianças, enfim um rasto cinzento e cheio de dor.
A aldeia dos meus avós fica no concelho de Góis, local que visito várias vezes ao ano e onde passo parte das minhas férias. Pedrogão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pera, são terras que também me dizem muito pela proximidade e pelas pessoas que conhecemos.
Tenho ouvido testemunhos surpreendentes e histórias trágicas, é impossível ficar indiferente e não deixar cair uma lágrima, podia ter sido eu ou podias ter sido tu, podia ter sido a minha família ou podia ter sido a tua. 
E saber que exactamente neste momento as Cortes está cercada pelo fogo, sem electricidade e que a água que chega à aldeia vem quase sem força, dá um aperto muito grande. Longe e sem poder fazer nada, só me resta desejar a todos os que lá se encontram que tenham muita força e coragem, porque é definitivamente assustador.
Este pesadelo não é de hoje, nem de ontem é de sempre, desde pequena que assisto a incêndios, uns anos mais graves que outros mas como este não tenho memória. 
Não é inédito a aldeia de Cortes ficar cercada pelo fogo, no inicio da década de 90 lembro-me bem do desespero dos meus avós e de todos os habitantes a unirem-se para colocar famílias e bens a salvo, lembro-me bem da expressão de aflição nos olhar da minha avó, são coisas que ficam cravadas para sempre na nossa memória. 
Não querendo arranjar culpados, só quero apenas dizer que memórias destas ficam cravadas naqueles que passam por elas, porque os outros, aqueles que podem definitivamente fazer alguma prevenção ou arranjar meios de combate eficiente, amanhã já não se vão lembrar de nada e as florestas vão continuar à mercê de alguma mão criminosa ou fenómenos da natureza.
Com uma catástrofe destas os bombeiros não têm mãos a medir e é urgente que entre em acção outras forças com experiência. 

E agora estas palavras vão para aqueles que mandam, os que têm toda a informação e todo o nosso dinheiro na mão, quando estiverem sentados a decidir que tipo de prevenção e de atitudes deverão tomar para que situações destas não voltem mais a acontecer, que pensem antes de voltarem a adiar alguma situação, por falta de entendimento partidário, porque hoje foram famílias que vocês não conhecem mas que amanhã pode ser alguém muito perto de vocês.
Ajam em conformidade com as vossas competências, e façam bem mesmo que ninguém vos esteja a ver.

100palavraspordia


O mês de Junho é para mim um mês cheio de festa, aniversários de família, amigos, festas de Lisboa, Santo António, e este ano com 2 casamentos em Julho, mais duas festas de despedida de solteira este mês.
Tudo isto não se trata de querer ter "uma vida social super agitada", é uma questão de querer estar presente nestes eventos que pertencem a pessoas que fazem parte da minha vida e tal como eu gosto que estejam presentes nos meus momentos importantes faço questão de o fazer também nos momentos dessas pessoas.
É verdade que é muita agitação, muitas asneiras a nível alimentar, às vezes poucas horas de sono, o que torna mais difícil de coordenar tudo de uma forma equilibrada. 
Quando aceitei o desafio da Filipa sobre escrever 100 palavras por dia durante 100 dias, sabia que não ia ser fácil planear diariamente os textos. 
Mas os desafios não são isso mesmo? Colocarmos-nos à prova, irmos além daquilo que estamos habituados a fazer e mesmo sabendo que pode ser difícil de ultrapassar nunca desistir e sair da nossa zona de conforto se tiver de ser.
Quando escrevo as minhas 100 palavras baseio-me na minha vivência desse dia, por observação, por experiência, por partilha de aprendizagens. Ontem não foi possível escrever e por isso escrevo hoje com um pequeno atraso.
Para mim o importante de qualquer desafio é tentar contornar obstáculos, nunca te focares naquilo que não atingiste e achares sempre uma solução para poderes chegar ao destino final.





Rotineiro

A rotina é muito importante nas nossas vidas. Traz-nos organização para conseguirmos cumprir com as nossas obrigações e estabelece um equilíbrio com o nosso corpo, como por exemplo as nossas horas de sono e a nossa alimentação. 
Mas, como em tudo na vida, a rotina quando é levada em excesso, pode-se tornar muito perigosa, pois podes começar a sentir que a tua vida está a perder autenticidade, sentes-te cansado, desmotivado e sem criatividade.
Então nada melhor que sair fora da caixa e aproveitar o melhor da vida em qualquer altura, não precisas de esperar pelo teu dia de folga para aproveitar o sol, ou ir ao cinema ou ir beber um copo.
Todos os dias da tua vida são uma oportunidade para seres feliz. 




100palavraspordia

A insatisfação permanente sobre como percepcionamos o nosso corpo, leva-nos a um estado bastante limitador e muitas vezes à falta de auto-estima, distancia-nos de nós e consequentemente dos outros.
Já paras-te para pensar nas mulheres que estão à tua volta e que passam a vida a queixar-se do seu corpo, incluindo tu?
Sejam elas muito magras, de corpo esbelto ou gordinhas, queixam-se todas do mesmo, do facto de não ter um corpo perfeito.
Há mulheres super magras que desejavam ter um pouco mais de curvas,  e há mulheres que têm curvas a mais e que desejam ser mais magras. Andamos todas a correr atrás de um corpo perfeito. 
E o que é isto de um corpo perfeito? Quem dita as regras?
Os midia são os principais influenciadores e convencem-te que tipo de corpo tens de ter. Tu só aceitas isso como uma verdade se quiseres. Se acreditares não tenhas dúvidas que começas uma batalha contra ti mesma.
Já pensas-te que um corpo belo é muito mais que um numero numa balança ou as tais medidas exigidas por não sei quem?
Um corpo belo é aquele que aceitas e amas, é aquele que tens de respeitar para o tornar mais saudável, cheio de força e vitalidade. 
Há mulheres com um corpo esbelto e sem qualquer expressão e há outras com um corpo mais gordinho e cheias de atitude. 
A diferença entre estas mulheres {sejam de que tamanho forem} é que enquanto umas se preocupam em atingir objectivos com o seu corpo, nomeadamente status, admiração, aceitação, prestigio, as outras apenas se limitam a aceitar e amar tal como são , e quando assim é tornas-te muito mais saudável e feliz.
Enquanto usares o teu corpo em função da tua mente e ego estás longe de conseguir conectar-te a ele e de o tornar verdadeiramente saudável.